Bean to Bar Brasil
02 out

No pódio

Post publicado por Redação

Associados Bean to Bar Brasil são vencedores em importantes premiações no Brasil e no exterior

 

Duas importantes premiações de chocolates divulgaram seus vencedores em setembro: o Golden Bean, promovido pela Academia do Chocolate de Londres, e o Prêmio CNA Brasil Artesanal 2021. E adivinha? Nossos associados estão no pódio, destacando ainda mais toda a qualidade dos chocolates bean to bar brasileiros.

O Prêmio CNA Brasil Artesanal 2021 – Chocolate é uma iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Sistema CNA/Senar, em parceria com o Centro de Inovação do Cacau (CIC), Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) e o apoio do Programa Compre do Pequeno do Sebrae. As amostras dos chocolates participantes passaram por etapas eliminatórias e classificatórias: análise técnica, degustação às cegas e julgamento da história do produto.

Priscyla França Chocolates, de São Paulo (SP), foi a grande vencedora dentre os 34 inscritos no concurso e conquistou o título de melhor chocolate artesanal do Brasil e o valor de R$ 6 mil. “Estou muito feliz com a premiação, pois esse chocolate foi elaborado a partir da amêndoa de cacau produzido em um assentamento da Amazônia. É resultado de muito trabalho e muita pesquisa. Temos uma resposta bem bacana com esse terroir e o sabor desse cacau”, afirmou a chef chocolateira Priscila França Rosendo, proprietária da marca.

O Chocolate da Ju, do produtor Lucas Arleo, de Uruçuca (BA), ficou em terceiro lugar e recebeu R$ 2.500. “A premiação nos dá um direcionamento em relação à posição dos nossos produtos, significa que estamos no caminho certo”, destaca.

A agroindústria Cacau do Céu chocolates Finos, da produtora Marcela Tavares, de Ilhéus (BA), ficou em quarto lugar e recebeu R$ 1.500. “O prêmio é de suma importância pra cadeia produtiva do chocolate, pois ele divulga e valoriza o pequeno produtor. Foi um motivo de muita alegria, pois todo o nosso zelo está sendo reconhecido no paladar das pessoas e no júri técnico. Isso nos dá um estímulo para seguir em frente”, ressaltou Marcela.

O quinto lugar ficou com a empresa C’alma – Chocolate do grão à barra, de Goiânia (GO). A produtora Ariana Ribeiro, proprietária da marca, recebeu o prêmio de R$ 1.000.  “Participar do prêmio foi uma experiência muito positiva, pois foi o primeiro concurso que eu participei. Enviei as amostra no último dia! Ter ficado em quinto lugar foi mais que o esperado, tive um feedback muito positivo do júri técnico. Foi muito prazeroso saber que estamos no caminho certo e que a dedicação está nos levando a fazer um bom trabalho”, disse.

O chocolate Majucau, da produtora Mariana Basaure, de São Paulo (SP), ficou em sexto lugar.

Reconhecimento internacional

O Golden Bean, promovido pela Academia do Chocolate de Londres, é um dos mais importantes prêmios internacionais da área e premia anualmente produtores de chocolates do mundo todo. O objetivo é promover um olhar aprofundado sobre os ingredientes utilizados e todo o processo produtivo, da semente do cacau à barra de chocolate, premiando as marcas que se destacam em todos os quesitos.

Mission Chocolate foi a vencedora em duas categorias: medalha de Ouro na categoria Bean to bar abaixo de 90% e Bronze na categoria Bean to Bar Inclusão. “A premiação reafirmou a importância de olharmos para dentro do Brasil e para sua diversidade de ingredientes”, destaca Arcélia Gallardo, proprietária da marca. Ela conta que o chocolate “Dois Rios”, vencedor da medalha de Ouro, faz homenagem aos rios Negro e Solimões, e é elaborado com dois tipos de cacaus, da Bahia e da Amazônia. “Foram 5 anos trabalhando nesta receita até lançá-la”, conta Arcélia.

“Ficamos muito felizes e honrados com a colocação no prêmio, pois, para nós, isso é uma afirmação do nosso trabalho, do nosso dia a dia, é uma prova de que vale a pena todo o esforço e toda a dedicação, e ainda podemos mostrar o cacau e o chocolate brasileiros no exterior”, afirma Adriana Labarrere, sócia-proprietária da LaBarr Chocolate De Origem, medalha de Bronze na categoria Bean to Bar abaixo de 90%.

Quem também ganhou medalha de Bronze na categoria Bean to bar abaixo de 90% foi a Chocolates Luisa Abram. Sócia-proprietária da marca, Luisa Abram ressalta o que significou a premiação: “Os prêmios são muito importantes pra gente, pois eles dão, não só visibilidade, mas também credibilidade pra marca no Brasil e no exterior. Ganhar um prêmio por um cacau e um chocolate produzidos no Brasil é muito gratificante. E mais: o consumidor já está entendendo o que são essas premiações e o que elas significam e estão começando a procurar pelo chocolate premiado”, destaca.

“Foi a primeira vez que eu participei de um prêmio internacional. Decidi me inscrever em cima da hora, peguei as melhores barras que eu tinha no momento e mandei”, conta Ana Pott, proprietária da Almadoré Chocolate de Origem, vencedora da medalha de Bronze na categoria Milk Bean to Bar.Valeu muito a pena ter ganhado a medalha de bronze. O feedback que eles deram vai me ajudar muito para fazer melhorias e, quem sabe, concorrer no próximo concurso”, celebra.

Quem também recebeu a medalha de Bronze na categoria Milk Bean to Bar foi a Cuore di Cacao Chocolateria. “Pra gente é um prazer receber mais uma premiação, é a nossa oitava medalha internacional, não é a primeira na Academia do Chocolate de Londres, mas, com isso, podemos levar o chocolate bean to bar brasileiro para o mundo. É mais uma oportunidade para mostrar uma validação internacional da qualidade do trabalho que a gente desenvolve com o chocolate”, diz Bibiana Trevisan, sócia-proprietária da Cuore di Cacao.

Na categoria Bean to Bar ao leite com Inclusão, a medalha de Bronze foi para a Chocolates Priscyla França. “Eu faço chocolate bean to bar desde 2019, sempre trabalhando como chef de confeitaria também. Este é o primeiro ano em que eu estou me dedicando exclusivamente para os chocolates bean to bar. Foi muito importante ganhar uma medalha de reconhecimento pelo nosso trabalho. O nosso chocolate pé de moleque, que ganhou a medalha, remete à memória afetiva de uma sobremesa brasileira. Então é muito importante pra gente ver a nossa cultura e os nossos sabores sendo apreciados também lá fora”, destaca Priscila França, proprietária da marca.

Confira os vencedores:

Golden Bean – Academia do Chocolate de Londres

Bean to bar abaixo de 90%:

OURO


Mission Chocolate – Dois rios

 

BRONZE

Chocolates Luisa Abram – 70% cassiporé

Chocolates Luisa Abram – 81% Acará

 

BRONZE

LaBarr Chocolate De Origem – LaBarr 70%


Bean to Bar Inclusão:


BRONZE

Mission Chocolate –   Baruja

 

Milk Bean to Bar:

BRONZE

Almadoré Chocolate de Origem – 50% chocolate ao leite

Cuore di Cacao Chocolateria – Chocolate ao leite 46%

Bean to Bar ao leite com Inclusão:

BRONZE

Chocolates Priscila França – Pé de Moleque

Bean to Bar Branco com Inclusão:

BRONZE

Chocolates Casa Lasevicius – Jabuticaba

Negro doce – Negro doce branco

 

Prêmio CNA Brasil Artesanal 2021 – Chocolate

1º lugar: Priscyla França Chocolates, de São Paulo (SP);

3º lugar: Chocolate da Ju, de Uruçuca (BA);

4º lugar: Cacau do Céu chocolates Finos, de Ilhéus (BA);

5º lugar: C’alma – Chocolate do grão à barra, de Goiânia (GO);

6º lugar: Majucau, de São Paulo (SP)